Procedimentos Injetáveis para Fisioterapeutas? O que você precisa saber.



O CREFITO-2 abriu consulta pública sobre a possibilidade dos procedimentos injetáveis para Fisioterapeutas. Porém, criou-se uma grande polarização entre os profissionais do Brasil.

É importante ressaltar que não houve um debate amplo para discutir a questão antes de lançarem a consulta pública. É por este motivo, que destacamos os principais pontos para que os Fisioterapeutas entendam o que está acontecendo:

Ozonioterapia:

A ozonioterapia é uma técnica que utiliza a aplicação da mistura dos gases oxigênio e ozônio, por diversas vias de administração, com finalidade terapêutica. De acordo com a indicação e tipo de aplicação, a concentração pode variar entre 1 e 100 mg/L (0,05- 5%O3). Pode ser utilizada no tratamento das patologias de origem inflamatória, infecciosa e isquêmica. Possui propriedades bactericidas, fungicidas e virustáticas, pelo que é utilizada para tratamento de feridas infectadas.

PRP

O Plasma Rico em Plaquetas (PRP) a porção do sangue que contém os componentes plaquetários, com a adição de qualquer produto, inclusive anticoagulante ou coagulante, o qual pode ser utilizado para facilitar o processo de regeneração tecidual, tal como a proliferação, migração e diferenciação celular, angiogênese e a inflamação.

Intradermoterapia/mesoterapia: procedimento que consiste na aplicação de injeções intradérmicas de substâncias farmacológicas altamente diluídas e administradas diretamente na região a ser tratada. Além do método de aplicação com agulha e seringa, podem-se utilizar injetores eletrônicos e/ou mecânicos de múltiplos pontos que permitem a quantificação do volume e da profundidade da aplicação.

Microagulhamento: procedimento que consiste na microperfuração da pele em diferentes profundidades, de acordo com instrumento utilizado, normalmente composto de cabo com cilindro revestido de microagulhas acoplado na extremidade, de diferentes comprimentos, com objetivo de produzir inflamação aguda, visando incremento da atividade fibroblástica, bem como facilitar a absorção de substâncias ativas. A terapêutica é realizada pelo rolamento do instrumento em várias direções. O comprimento máximo das agulhas do instrumento a ser utilizado pelo fisioterapeuta é de 2.0 mm.

Hidrolipoclasia ultrassônica não aspirativa: o procedimento consiste na infiltração de solução salina, habitualmente soro fisiológico, com ou sem agentes lipolíticos, no tecido adiposo, e a subsequente aplicação do ultrassom terapêutico, ocasionando assim a lipólise local do tecido. Esse recurso é utilizado na redução da gordura corporal localizada.

Preenchedores semipermanentes: são substâncias biocompatíveis e reabsorvíveis utilizadas para preenchimentos dérmicos, subcutâneos e supraperiostal com objetivo de correções de perdas volumétricas. As principais substâncias utilizadas são o ácido hialurônico, hidroxiapatita de cálcio e o ácido poli-L-lactico. Não é permitido ao fisioterapeuta o uso do polimetilmetacrilato/PMMA.

Fios de sustentação e bioestimulação: procedimento que permite o realinhamento das estruturas da matriz extracelular que sofreram ptose, por amenização das forças de tração do envelhecimento tecidual. O fisioterapeuta deverá utilizar fios absorvíveis, os quais permitem o estímulo da produção de colágeno na região da implantação, ao mesmo tempo em que são reabsorvidos lentamente pelo organismo, sendo vedada ao fisioterapeuta a implantação de fios permanentes ou definitivos. Os principais materiais utilizados são os fios de ácido polilático ou os fios de polidioxanona (PDO).

– Procedimento injetável para microvasos: realizado por meio da infiltração nos microvasos de solução hipertônica de glicose 50% e 75%, na quantidade máxima de 10 ml por procedimento. Esse procedimento deverá ser utilizado exclusivamente nas telangiectasias.

Toxina botulínica: procedimento realizado por meio de uma injeção intramuscular após diluição da toxina do tipo A, usando uma seringa e agulha aplicada nas regiões a serem tratadas. A dosagem varia de 10 a 20U por paciente e recomenda-se o volume de 1 a 5 mililitros por ponto. Este procedimento deverá ser utilizado exclusivamente nas condições registradas pela ANVISA, tais como para o tratamento de blefarospasmo, espasmo hemifacial, torcicolo espasmódico, espasticidade, linhas faciais hiperfuncionais e hiperidrose.

Terapia neural: procedimento realizado por meio de puntura com agulha de baixo calibre (entre 23g e 30g), induzindo estímulos neuromoduladores específicos com lidocaína ou procaína em baixa concentração (inferior a 1%). Este procedimento pelo fisioterapeuta tem indicação para estimular as funções adaptativas do corpo, induzir estímulos de autorregulação e promover analgesia.

E ai, você concorda que os Fisioterapeutas façam esses procedimentos acima?

7 thoughts on “Procedimentos Injetáveis para Fisioterapeutas? O que você precisa saber.

  • 4 de dezembro de 2019 at 18:42
    Permalink

    Concordo plenamente. Eu e meu marido fizemos tratamento com terapia neural, realizado por fisioterapeuta e o resultado foi excelente.

    Reply
  • 5 de dezembro de 2019 at 13:32
    Permalink

    Eu sou a favor.Sou fisioterapeuta dermato funcional.O fisioterapeuta estuda muito anatomia.Porque não aplicarmos?? só nós que ainda não podemos.Todos os profissionais da área da saúde já fazem.Sou a favor,mas o profissional tem que ser capacitado

    Reply
  • 19 de dezembro de 2019 at 13:41
    Permalink

    Dawdson fisioterapeuta concordo com as técnicas nossa classe vem perdendo muito frente a outros profissionais. Desde que acha capacitação.

    Reply
  • 9 de janeiro de 2020 at 23:28
    Permalink

    Desde que haja capacitação, não têm o porquê o fisioterapeuta não aplicar essas técnicas. Como já comentado , estamos perdendo muito para outros profissionais.

    Reply
  • 15 de fevereiro de 2020 at 14:31
    Permalink

    Concordo

    Reply
  • 23 de fevereiro de 2020 at 14:17
    Permalink

    Concordo, pq os fisioterapeutas já atuam nas intercorrências resultantes de procedimentos errados realizadas por outros profissionais, atuando na recuperação de paralisias e paresias ocasionadas pós- procedimento. Além disso, tem a formação necessária, além de complementação através de cursos específicos na área .

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *