Os benefícios da Fisioterapia em Bebês



Os benefícios da Fisioterapia em Bebês

Todo cuidado é pouco quando se trata de bebês. Do pré natal até o parto e os primeiros anos de desenvolvimento da criança precisam de um olhar cauteloso. Os primeiros meses de vida de uma criança são cruciais para o desenvolvimento futuro, e atrasos podem sinalizar problemas, como por exemplo, o Congênita Benigna.

A Congênita Benigna é uma doença que causa a diminuição do tônus musculares, fraqueza e flacidez (comumente relacionado à paralisia infantil ou outras desordens neuromusculares) e pode ser percebida pelo atraso no desenvolvimento motor do bebê. “Cada um tem seu tempo. Mas algumas peculiaridades, como as de crianças que não conseguem se manter firmes até um certo período, podem significar um caso de Hipotonia Congênita Benigna, caso nenhum problema neurológico seja associado”, informa a fisioterapeuta Gislaine Milena Marton, que também conta que nos primeiros meses de vida, a criança tem sua estrutura mais ‘mole’ o que faz a cabeça pender para os lados com mais frequência.

Com cinco meses, no entanto, a criança precisa se firmar, ou seja, se manter sentada com apoio.

Como forma de solução a fisioterapia pediátrica ajuda, fortificando os músculos, a respiração e a capacidade de desenvolvimento motor, para que futuramente as dificuldades do paciente sejam bem menores.

“Os resultados são ótimos, como melhora da postura, das reações de equilíbrio e proteção, além da normalização das etapas motoras para cada idade”, explica Gislaine. “O tratamento já aumentou também a coordenação, desenvoltura e agilidade de movimentos dos pequenos em todos os casos atendidos. Isso proporciona uma vida com muito mais independência para esses futuros adultos”, completa a fisioterapeuta.

A fisioterapia pediátrica, como o próprio nome sugere é uma fisioterapia, própria para crianças, bebês e até adolescentes em alguns casos. A área ganhou maior visibilidade nos anos 80 e hoje em dia a terapia é respeitada e conceituada. Ela traz inúmeros benefícios, quando bem direcionada e aplicada, principalmente por garantir um desenvolvimento sadio e, assim, evitar que limitações e dificuldades tragam sequelas mais graves ao longo dos anos.

Ela também pode ser feita de forma preventiva para que no futuro a criança não crie vícios na postura que possam prejudicar a coluna.

O que mais diferencia da fisioterapia infantil da utilizada em adultos são a presença essencial dos pais nos exercícios, o ambiente mais lúdico e a forma que as atividades são aplicadas, pois se trata de uma estrutura óssea e muscular bem diferente dos adultos.

Larissa Anunciato
larissa.anunciato@jpjornal.com.br

Via Jornal Piracicaba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *